fbpx
(5511) 2503-9620 [email protected]

Proseando

Aviso: Esta é uma obra de ficção. Os fatos e pessoas aqui mencionados são fruto da imaginação, dos sonhos ou dos pesadelos do autor.

Um conto de pré-Natal

Um conto de pré-Natal

Eteu não era ateu, acreditava em tudo, no Bem e no Mal. Foi assim desde que nasceu. Era praticamente um São Tomé às avessas. Ao contrário do santo, que de tudo duvidava, ele tinha Fé absoluta em tudo e todos. Acreditou quando sua mãe misturou água ao leite da...

ler mais
Cartas do Futuro

Cartas do Futuro

Daqui do futuro é possível, graças à evolução tecnológica, escrever para você! Vou tentar ilustrar o alto grau de civilidade que a humanidade alcançou, descrevendo as atividades banais do cotidiano dos habitantes deste belo planeta azul cinza. Realmente muita coisa...

ler mais
Os Assaltos – Parte 4

Os Assaltos – Parte 4

Enquanto Baruch dava seu último suspiro, Ruby deixava a cozinha e a despensa vazias para trás. Estavam tão abandonadas que nem os ratos ainda permaneciam por lá. Comida e bebida não frequentavam aqueles aposentos há muito tempo! Andou lentamente por toda sala de...

ler mais
Os Assaltos – Parte 3

Os Assaltos – Parte 3

O que era para ser um assalto comum, desses de entrar, pegar e sair assobiando, se transformou numa montanha russa de emoções e surpresas. Não dessas Six Flags americanas, seguras e antissépticas, onde a gente tem absoluta certeza que vai chegar são e salvo ao final....

ler mais
Os Assaltos – Parte 2

Os Assaltos – Parte 2

A célula ficava num lugar tão secreto, mas tão secreto, que ninguém, além dos três, sabia onde ficava. Alberto, codinome Alfa Berto, fumava um cigarro após outro enquanto andava aos círculos pela sala estreita. Estava com ele o companheiro José Teodósio, codinome Zé...

ler mais
Os Assaltos – Parte 1

Os Assaltos – Parte 1

Tudo estava milimetricamente calculado. Haviam passado meses estudando mapas, horários e possibilidades. Avaliaram todas as variáveis, antecipando movimentos como num jogo de xadrez. Exatamente para que não fossem parar no xadrez! Genaro, Mané e Tanaka sabiam que não...

ler mais
Fogo na Vila

Fogo na Vila

Eu não devia contar esta estória porque tem muita gente conhecida, facilmente identificável, que deve se reconhecer ou ser reconhecida logo de cara, e alguém pode se ofender. Em todo caso, vou trocar os nomes e descrever detalhes falsos da aparência, na esperança de...

ler mais
A Mãe

A Mãe

O doutor Cláudio Ribeiro tinha os olhos fixos no copo d’água à sua frente. Não que estivesse interessado ou com sede. Seus pensamentos estavam longe dali, mais precisamente numa tarde quente em Ipanema, no Rio. Estava com dois amigos num táxi que contornava a lagoa...

ler mais
São Pneu

São Pneu

Quando mudamos da rua Dom Bosco, na Mooca baixa, para a Professor Elias Vita, no Parque da Mooca, foi como soltar um sagui da gaiola na floresta. Saímos de uma casa a pouco mais de 1 quilômetro do marco zero da Praça da Sé, à época o verdadeiro centro comercial de São...

ler mais
Beijos

Beijos

O primeiro beijo a gente nunca esquece, claro, mas as circunstâncias do fato podem torná-lo épico, dramático ou absolutamente embaraçoso. Aos 9 anos eu acompanhava a cena musical brasileira através dos olhos e ouvidos da irmã mais nova. Os festivais de música popular...

ler mais
Filmes

Filmes

A vida seguia de mansinho naqueles dias, com muito sol no rosto e canelas finas de fora. Tinha quem me trocava de roupa, dava banho e me alimentava, de amor e comida. O mundo ia pouco a pouco se ampliando, com os amigos próximos sendo cuidadosamente separados dos mais...

ler mais
A Dios

A Dios

Juan era um jovem e impetuoso espanhol de Lanjarón, pequena vila situada entre Granada e Motril, na Andaluzia. É conhecida pelo seu castelo, e por ser uma das mais típicas aldeias de montanha das Alpujarras, na vertente meridional da Sierra Nevada. Também produz água...

ler mais