fbpx
(5511) 2503-9620 contato@camasa.eti.br

No princípio os quatro elementos viviam isolados, terra, água, fogo e ar ocupavam cada um seu quadrado. Bilhões de milhões de anos eles assim viveram, cada um consigo mesmo ocupado, numa monotonia sem fim. Até que o criador de todas as coisas achou de achar que tudo estava muito sem objetivo e sem graça, era preciso agitar um pouco, movimentar e misturar para ver o que ia dar. E assim a Terra, que tinha água de um lado e terra do outro, foi violentamente abalada por maremotos e tempestades, terremotos e vulcões ruidosos, dilúvios de fogo e de gelo, por milhares de anos seguidos. Partiu-se em continentes e ilhas, montanhas, oceanos e rios, potencializando em sua nova fase multifacetada as mais variadas formas de vida. Uma dessas ilhas-continente, por seu tamanho isolamento e características, criou diversas formas muito exclusivas de animais peculiares, somente encontrados ali. Cangurus, Dingos, Vombates, Equidnas e Diabos da Tasmânia, entre outros, só existem e se reproduzem naturalmente na Austrália, o paraíso dos marsupiais.

Mas entre todos esses animais incríveis, há um muito mais que especial, o Coala. Na língua dos indígenas locais, Koala significa “animal que não bebe”. De fato, este marsupial, é bastante abstêmio: mata a sede com apenas o suco oleoso das folhas de eucalipto, praticamente o único vegetal que come.

O coala tem a cabeça pequena, o focinho curto e os olhos bem separados. O nariz é grosso e achatado, e está munido de grandes narinas em forma de V, com as fossas nasais muito desenvolvidas, que mexem no seu equilíbrio térmico. Tanto os membros anteriores como os posteriores possuem cinco dedos. O polegar das patas posteriores é bastante pequeno, não sendo dotado de garras. Os outros dedos são fortes e terminam em garras alongadas. Nas patas posteriores, apenas o polegar é oposto aos outros dedos. A pelagem densa e sedosa, desempenha papel importante na regulação térmica e na proteção dos agentes atmosféricos. Como o coala não constrói um abrigo, dorme exposto ao sol e à chuva. A pelagem do dorso é muito densa e de uma coloração escura que absorve o calor. Torna-se mais escassa durante o verão e mais comprida durante o inverno. Possui um bom equilíbrio e músculos possantes nas coxas, e quando escala uma árvore, a falta de cauda é compensada pelos dedos bastante largos e pelas garras muito desenvolvidas. 

Quando nosso amigo Guto nasceu pesava apenas 0,5 g e tinha menos de 20 mm de comprimento. O corpo era nu, cor-de-rosa e raiado de vasos sanguíneos; os olhos e os ouvidos estavam fechados; a boca, as narinas e as patas posteriores eram apenas um esboço. Somente as patas anteriores eram suficientemente robustas para lhe permitir executar sozinho o fatigante trajeto até a bolsa ventral da genitora e ali permanecer agarrado a uma das duas mamas de sua mãe. Por volta dos cinco meses e meio, ele começou a sair do seu tranquilo abrigo, mas sem se afastar muito da mãe e, ao primeiro sinal de perigo, tornava a entrar emitindo uma espécie de vagido. A permanência fora do refúgio materno foi aumentando e, aos 8 meses, tornou-se definitiva. A partir daí, ele só enfiava a cabeça no marsupial quando tinha fome e queria mamar. Durante as peregrinações noturnas, passeava agarrado sobre o dorso da mãe.

Os coalas todos viviam muito felizes, comendo e dormindo, dormindo e comendo. Seu único predador era o Dingo, mas mesmo esse, só atacava os muito idosos, já inertes no chão, despedindo-se das copas das árvores e da vida. Até que surgiu um novo bicho, estranho e nocivo, pelado, só com um tufo de pelos no alto da cabeça. Era o homem e toda sua selvageria vestida de domínio da tecnologia. Eles chegaram sorrateiros e silenciosos, em pequeno número, mas logo, em algumas dezenas de milhares de anos, dominaram toda a ilha. Os animais em geral e, principalmente os coalas, dos homens não se aproximavam, por desconfiança e medo. Aqueles que por ingenuidade ou ousadia cruzassem seu caminho, eram mortos ou enjaulados, perdiam a liberdade ou a pele e a vida. 

Guto, apesar dos constantes conselhos de sua mãe, tinha em si o vírus da curiosidade e gostava de explorar as matas e lagos das florestas em que viviam. À medida que crescia e se fortalecia, mais e mais ampliava suas pesquisas, conhecendo cada pedra, planta e flor do lugar. Um dia, envolvido com uma pequena fila de formigas que atravessavam o tronco de uma árvore tombada à beira de um rio, enfiou sua cabeça na água limpa e transparente para descobrir o que havia do outro lado da superfície. Nisso o tronco girou sobre si mesmo desprendendo-se da margem e derrubando o pequeno coala nas águas fundas do rio. Por instinto ele se agarrou ao tronco que começou a deslizar velozmente conduzido pela corrente. Apavorado, com a boca ainda cheia de água gelada, nem teve tempo de emitir um pedido de socorro. Foi levado para longe da segurança da mãe e do seu território, até que sua embarcação improvisada deteve-se numa curva mais estreita, há duas luas de distância.

Cansado e com fome o jovem coala começou a explorar o local em busca de folhas de eucaliptos para comer. Tudo era estranhamente quieto, não se ouvia o murmúrio dos bichos nem os cantos dos pássaros! Ele pensou que era porque estava num lugar desconhecido e distante, talvez tivesse poucos habitantes ou estivessem todos fazendo a sesta. Seus olhos estavam lacrimejantes, ele pensou que fosse sono, mas na verdade o ar estava denso e quente, difícil de respirar. De repente, viu uma coisa muito esquisita, que jamais havia visto. Era como uma pequena folha de outono, de pé, com cores vivas e brilhantes, amarela, laranja e vermelha, numa dança constante e inquieta. Aproximou-se curioso, lentamente, e tocou o nariz para cheirá-la. Saltou para trás de imediato, sentindo uma dor forte e profunda. Olhou ao redor e percebeu que muitas outras folhas como aquela pulavam de um lado para outro lançando uma fumaça cinza para o alto, deixando atrás de si um rastro escuro e fumegante de destruição!

Desta vez não era um ajuste da natureza, um desígnio do Criador. Era somente a inconsciência dessa criatura, o homem, fazendo mal à toda criação, seja através de uma bituca de cigarro jogada displicentemente, uma fogueira mal apagada, ou pela ganância desenfreada abrindo passagens e pastos, pondo a floresta no chão. Com o coração batendo forte e acelerado, Guto pôs-se a correr, na lenta velocidade dos coalas, buscando abrigo, mas viu-se cada vez mais cercado pelo fogo. Queimava as patas no chão tostado e sentia muita dor nos pulmões ao respirar a fumaça grossa, tossindo sem parar. Subiu num pequeno arbusto para se proteger mas a situação era terrível e insuportável. Pensou na mãe e nos seus conselhos, arrependido por ter se afastado dela. Chorou o choro triste dos coalas e as lágrimas de saudade misturaram-se às de ardência. Foi quando, entre lágrimas e fumaça, enxergou um vulto…

Viu, apavorado mas paralisado pela situação, que a coisa vinha em sua direção. Não conseguia distinguir com clareza, mas parecia ser muito alto, com pernas longas e braços compridos, andando ereto, conforme a descrição do bicho Homem, que sua mãe havia lhe fazia. Pareceu tirar a própria pele, uma capa, branca como neve, e veio lenta mas decididamente em sua direção, com a tal pele entre os braços erguidos. Envolveu-o com cuidado e o acomodou carinhosamente no peito, saindo de lá o mais rápido possível. Guto sentiu-se num marsupial e deixou-se levar sem resistência, desmaiando de exaustão.

A Ilha Canguru é uma área natural turística na costa do estado da Austrália Meridional, que abriga muitas espécies nativas, incluindo os coalas, cuja população local é estimada em 50.000 animais. Os incêndios catastróficos que assolam o sudeste do país por quatro meses mataram centenas de milhares de animais nativos, mais de 50% (da população) desapareceu. Outros (animais) ficaram sem habitat e morrerão de fome nas próximas semanas. Biólogos e voluntários lutam incessantemente para preservar esse habitat.

De acordo com um estudo da Universidade de Adelaide publicado em julho, os coalas da Ilha Canguru são especialmente importantes para a sobrevivência da espécie na natureza, pois são o único grupo importante que não sofre de clamídia, uma infecção bacteriana assintomática que pode causar cegueira, esterilidade e morte. Eles são uma espécie de seguro ou garantia para toda a população de coalas. Por não sofrerem de clamídia, os coalas da ilha não podem ser transferidos. Esses incêndios estão varrendo os animais do mapa. É uma das maiores tragédias para a população desses animais desde o final do século XIX, quando foram caçados por suas peles.

* * *

Algumas semanas de intensos cuidados devolveram a Guto todas suas habilidades motoras. As queimaduras e ferimentos estavam curados, com sua pele regenerada brilhante e sedosa. Ele havia se afeiçoado a todos ali. Descobrira que havia muitos homens bons, e que na verdade eles são a grande maioria. São pessoas que se importam com a vida de todos os seres do planeta, que se sentem parte integrante da natureza e lutam por sua preservação. Mas ele sentia falta da vida em liberdade e de sua mãe, e as pessoas ali compreendiam suas necessidades. 

Até que finalmente chegou o grande dia em que ele foi colocado em liberdade, para reencontrar o próprio caminho. Afastou-se dos amigos humanos sem olhar para trás e embrenhou-se na mata, já recuperada e verde. Não precisou andar muito até avistar uma figura muito conhecida. Era sua mãe que ainda o procurava com todo o amor que só as mães possuem no coração. Abraçaram-se apertadamente com imensa alegria, certos de que sua felicidade é a esperança para todos os coalas e todos os demais seres da Terra, em essência, todos irmãos.

CaMaSa