fbpx
(5511) 2503-9620 [email protected]

Era uma dupla tão improvável quanto Sancho Pança e Dom Quixote ou, mais precisamente, Laurel & Hardy, já que o business era cinema e um era gordo e o outro era magro. Tinham cruzado seus caminhos desde tempos imemoriais e criado uma simbiose perfeita desde sempre. Ganharam os apelidos devido ao uso permanentemente contínuo de extrato de arnica, nome popular da espécie vegetal de nome científico Arnica montana, uma planta originária das montanhas da Europa e da Sibéria, utilizada há muitos séculos na medicina alternativa para o tratamento da dor e inflamação de diversas condições, e babosa, ou aloe vera, que ajuda a cuidar da beleza e da saúde e é muito conhecida por seus benefícios como efeitos calmantes, cicatrizantes, anestésicos, antitérmicos e anti-inflamatórios, além de ser ótima para hidratar cabelos e pele. Ambas as plantas receitadas por uma senhora italiana muito sábia e muito confusa, na casa dos 90 anos. 

Arnica era forte, encorpado, gordão mesmo, com uma agilidade e vitalidade de bailarino. Vivia besuntado de extrato de arnica para aliviar as dores musculares constantes. Sua presença era sentida à distância, pelo tamanho e pelo cheiro! Tinha os pés fortemente plantados no chão, lidava com as coisas práticas e os problemas de produção de um filme independente realizado no Brasil. De coração e bom humor maiores que seu corpinho de 136 quilos espalhados por 1,80 mts de altura, tinha uma gargalhada pronta e fácil para os fatos mais corriqueiros. Falante, era companhia agradável e sempre requisitada, ao mesmo tempo que era hábil nos negócios mirabolantes que sua função exigia. Conseguia pregos e sofás, bicicletas e paraquedas, figurantes e atores globais. Locações em praças, restaurantes, bibliotecas, prédios públicos e fábricas gigantescas, sempre negociando um crédito, uma aparição de destaque da mulher, da filha, ou da amante de algum figurão local. Merchandising era seu sobrenome!

Babosa era o oposto complementar. Alto, era obrigado a olhar todos de cima dos seus 2 metros de altura, magro, bonito e sonhador, galante e envolvente, tinha a habilidade de seduzir com os olhos verdes e fazer as pessoas acreditarem reais suas quimeras, comandando pela empatia, não pela força. Tinha fortes entradas no alto da testa, massageadas frequentemente pela baba da planta babosa. Para ele o cinema era a Sétima Arte, com letras maiúsculas e devaneios gigantes como castelos de areia e ilusão. Acreditava no que imaginava com a força da realidade, muitas vezes vivendo com os pés neste mundo e a cabeça no outro. As barreiras e dificuldades do cotidiano faziam parte do seu filme, da sua história, e lhe cabia conduzir a todos que o cercavam pelos cenários imaginários de suas emoções. Confiava em todos de coração, sem julgamentos ou arrependimentos, já que todos faziam parte do roteiro pré-determinado escrito na adaptação de sua mente ao mundo real. Imagem & Ação era o seu sobrenome!

Aos dois juntava-se uma trupe completa de atores, principais e coadjuvantes, diretor de fotografia, de arte, cenógrafo, continuista, assistente de produção, assistente de direção, maquiador, fotógrafo, iluminador, catering, maquinista, operador de cabo e auxiliares diversos. Ninguém recebia salário, trabalhavam para compor currículo, num sistema ad exitum, caso o filme fosse lançado comercialmente e rendesse dividendos, ou por amor à Arte. Arnica garantia hospedagem e alimentação nos hotéis e restaurantes locais em troca de gravações de cenas nos ambientes da cidade e menções honrosas nos créditos finais da película. Ele, Babosa e os atores, normalmente se hospedavam nos melhores hotéis e a equipe técnica ficava nos hotéis mais simples ou nas pensões. Essa era a maneira de fazer cinema no Brasil sem dinheiro.

O roteiro do filme, criado pelo próprio Babosa, era uma obra aberta que ia se adaptando aos cenários locais disponíveis, ao sabor do clima, do dia e da noite. Havia o momento de gravar a cena do encontro entre a mocinha e o galã que normalmente dava início a todo processo de filmagem numa localidade. Montavam o aparato com câmeras e microfones, trilhos, pedestais, cabides com figurinos, cabos e lâmpadas. Mais ou menos como levantar a lona de um circo mambembe. Cercavam a área com fitas amarelas e todos se posicionavam sob as ordens do diretor: – Atenção! Silêncio no set. Gravando…

O casal caminhava por uma rua enluarada, conversavam sorridentes trocando palavras decoradas e olhares enamorados. Ninguém emitia um som, o silêncio era estelar e a iluminação realçava a beleza do momento. O câmera acompanhava a cena com o seu equipamento deslizando sobre trilhos, empurrado, lentamente, por um ajudante agachado. Babosa olhava o resultado captado num monitor e interrompia uma e outra vez, dando conselhos e orientações carinhosos aos protagonistas, pedindo para que refizessem a tomada novamente… e novamente… e novamente…

Os moradores se aproximavam curiosos, desconfiados e depois fascinados. O que era aquilo? Era um teatro? Televisão? Não, cinema… Ficavam olhando admirados, boquiabertos, e logo a notícia corria, se espalhava como fogo em capim seco. Homens, mulheres, jovens e crianças de colo cercavam o local num alarido estridente e incontrolável. Arnica fazia valer o corpanzil e, com voz de tenor, exigia silêncio, sabendo-o impossível. A isca já havia sido engolida com anzol e tudo, e o peixe já estava no papo. Não que houvesse má intenção da parte deles. Era uma troca. Davam àquela gente um motivo de interesse, alegria e diversão, para receber acolhimento e atenção especial. 

Nem sempre eram bem recebidos! Certa vez chegaram numa localidade esquecida no norte de Minas Gerais, cansados e famintos. Montaram o set antes de fazer contato com as autoridades do município e foram interrompidos, ao iniciar os trabalhos, pelo delegado local que chegou do nada acompanhado de um sargento numa viatura de polícia, uma Chevrolet Veraneio branca e preta, diretamente saída dos anos 70! De óculos escuros, camisa listrada de golas largas e cabelo esticado de lado com algum tipo de goma oleosa e brilhante, o delegado Soares irrompeu a cena exigindo explicações. Acalmou-se quando explicaram o que faziam ali e, inclusive, incluiriam a ambos, o Soares e o sargento Bororó, na cena de ação que acabava de ser incorporada no roteiro e seria filmada naquele exato momento. Fizeram parte das filmagens naqueles dias também o Prefeito Apolinário, a primeira dama Risoleta e suas duas filhas, Mariluce e Ritaluce, o Padre Anésio e dois coroinhas, 4 beatas e, ainda, três bêbados no papel de bandidos. Hospedaram-se espalhados por todo vilarejo, na prefeitura, na igreja, no jornal de oposição local e no estábulo municipal, de acordo com a hierarquia da equipe.

Repetiam o processo a cada cidade, colhendo cenas de amor, paixão, ódio e vingança nos ambientes mais diversos e inusitados. Ruas e ladeiras, lojas de grifes e hospitais. Nos rios e cachoeiras, nas fazendas, ordenhando o leite ou colhendo o café. Usavam diversos sotaques e línguas, num painel cultural que contemplava todos os povos. Gravavam cenas de dança de salão em restaurantes com música ambiente. O conjunto, os garçons e os clientes faziam papel de figurantes, todos animadíssimos com a possibilidade de aparecer na tela gigante dos cinemas do país e, quem sabe, do mundo! Nesses momentos, todos comiam, bebiam e brindavam ao filme e aos prêmios nacionais e internacionais que ganharia. Gramado, Berlim, Cannes, o Oscar… Não havia limite para as possibilidades de sonho que estavam tornando vivas ali, naquele pedaço abençoado de mundo, com a colaboração de todos.

No fim dos trabalhos, despediam-se de todos, muitas vezes com discursos acalorados e bandas de música. Saíam da cidade com o carro e a camionete carregados de equipamentos e presentes, comida e bebidas, galinhas e ovos, queijos e linguiças. Ganhavam frutas e espigas de milho, cocadas e doces de leite, pães, broas e bolos, compotas e leite de cabra. E pinga, muita pinga, porque o interior do Brasil é movido a álcool, energia limpa e renovável. Deixavam para trás boas lembranças, paixões e amores, vez ou outra um filho. Seguiam adiante na direção que soprava o vento e o sol se punha, para retomar a rotina na próxima cidade, gravando cenas e mais cenas sem fim, com personagens de carne e osso, feitos de sonhos reais e esquecidos. Filmando onde houvesse uma praça, um coreto ou uma estória de amor, com uma pitada de mistério.

CaMaSa