fbpx
(5511) 2503-9620 [email protected]
06/04/21
CaMaSa

Anacleto e a Coxinha

Anacleto crescia… melhor dizendo avançava no tempo ocupando o mínimo espaço. Os pais procuravam oferecer todo tipo de alimento, dos mais doces aos mais salgados, dos mais insossos aos mais amargos, coloridos, perfumados ou inodoros, quentes ou frios. A todos o menino reagia da mesma maneira, uma ou duas colheradas e só. Mamadeiras, mingaus, purês, bananas, maçãs, pêras, mamões e morangos, sucos de laranja, uva e pêssego. Iogurtes, queijos, dos mais caseiros aos mais malcheirosos. Feijão com arroz, macarrão com molho de tomate, com queijo, lavado com manteiga. Sorvetes, pudins, balas e chocolates. A tudo exclamava um: – Bléé!

Eventualmente inventava de só querer uma mistura esquisita de giló com tamarindo, limão com beterraba e lentilha, bacon com pipoca doce e baunilha… Mulher grávida perde de longe! Eram dias, semanas e meses na mesma toada, comendo só um tantinho da gororoba que era toda jogada fora. Quem ia comer aquilo? Se um dos ingredientes faltasse, fosse fora de estação, toca correr atrás por toda cidade, em toda feira, mercado, quitandinha ou sítio dos arredores da cidade. Não fazia por mal. Nada lhe apetecia e mesmo essas misturas esquisitas não lhe abriam o apetite verdadeiramente. Mas era o que lhe dava sustento, algum viço e força pra seguir a vida.

Assim que, aos barrancos e trancos, chuchus e abobrinhas, chegou Anacleto aos seis anos de idade, quase apto a ingressar na escola primária, para juntar as primeiras letras, somar os primeiros números, cantar as primeiras cantigas e hinos, brigar com os primeiros amigos e sonhar acordado com as primeiras paixões. Tudo isso estava reservado para ele, não fosse ele quem era. Arrancá-lo do lar foi uma verdadeira batalha, com uivos e gritos ouvidos a quilômetros de distância. O uniforme escolar de calçãozinho azul-marinho e cós rígido, com camisa branca engomadíssima e brilhante, enfeitada por uma gravatinha da cor do calção,  combinando com um par de meias três quartos brancas e botinas pretas lustrosas, desmantelou-se todo em poucos minutos. Olhando-se atentamente não se conseguiria distinguir entre uma ou outra peça do vestuário. Assim que saíram de casa, desvencilhou-se da mãe e saiu correndo em disparada dando de encontro a um poste. Ana o acudiu, levantando-o com uma só mão enquanto a outra vassourava a sujeira do chão presa em suas roupas. 

– Tá doido menino? Quer morrer?

Pronto! Uma luz acendeu no túnel escuro da cabeça do menino. Acalmou-se e deixou-se levar docilmente para a escola próxima. A mãe estranhou, chegou a pensar que o menino tivesse batido a cabeça com muita força, que ele estivesse grogue ou algo assim. Mas ela tinha visto o choque, bateu de ombro, nada de cabeça e também não havia marca aparente. Só estava calmo mesmo. Talvez o susto tivera um efeito benéfico. Seja como for, chegou ao portão da escola onde uma assistente aguardava as crianças. A moça abriu um sorriso para Anacleto que aceitou mansamente a mão estendida em sua direção. Foi para dentro tranquilamente andando ao lado da moça e sumiu das vistas da mãe quando subiram a larga escadaria do hall principal do antigo prédio amarelado. Antes de virar-se para voltar para casa, Ana leu no alto da fachada da escola: Antonio Firmino de Proença.

As palavras de sua mãe após o choque com o poste ainda ecoavam em sua cabeça. Menino… Quer… Morrer… Eram tão melodiosas, tão encantadoras. Canto doce e convidativo de sereias flutuantes num mar translúcido quente e aconchegante. Ele não sabia o que era a morte, mal havia saído das fraldas, mas uma força superior o empurrava para o maior dos mistérios. Acordou de seu devaneio sentado numa carteira escolar de ferro e madeira velha e rabiscada pelo tempo, acompanhado de várias crianças iguais a ele e uma professora rechonchuda e falante. Ela se chamava Neide, assim havia dito, e pedia a cada um dos alunos que se apresentassem dizendo seus nomes. Após uma sucessão de Pedrinhos, Rosinhas, Josés, Mariazinhas, Olavos e Ritas, chegou sua vez de dizer o nome.

– Ana…

– Hahahas…

– Como? Perguntou dona Neide.

– Ana… Cleto…

– Hahahas…

– Silêncio! Silêncio! Ralhou a professorinha. Anacleto é um nome bonito como outro qualquer.

Ele custou a entender do que riam as outras crianças. Primeiro pensou que era de sua voz e só depois percebeu que riam do seu nome. Achou estranho mas não ficou incomodado, já que estava decidido a descobrir ali como se chegava até a morte. Essas coisas pequenas não o tirariam do seu objetivo principal. Avaliou que entre os colegas de classe dificilmente encontraria alguém que pudesse ajudar, que tivesse alguma noção de como atingir sua meta. Mas teria que tentar. Se nenhum deles tivesse alguma ideia útil, teria que recorrer à professora. Acabou descobrindo, fazendo perguntas a respeito, que todos tinham muita informação para dar. Cada um tinha uma estória para contar sobre formigas, moscas, aranhas e baratas mortas; um contou sobre a morte de um gato e outro falou de um cachorro; pássaros, muitos pássaros; um falou até de um tio, morto em duelo, mas não tinha certeza se era verdade ou um filme antigo em preto e branco. Mas ninguém contou sobre a própria morte!

O sino cantou a hora do recreio e todos correram da sala em direção ao pátio interno do colégio. Ele permaneceu sentado, hesitando entre sair ou ficar para fazer perguntas para a professora, atarefada com listas de presença. Deu alguns passos em direção à mesa alta e permaneceu alguns segundos diante dela, olhando fixamente para a mulher sentada ali. Percebendo-se olhada, a mestra encarou o menino à sua frente e, entre assustada e surpresa, perguntou se ele queria alguma coisa?

MORRER… Anacleto pensou bem alto, como um grito. E saiu correndo para fora da sala, sem direção ou razão. Entendeu que não poderia contar com os adultos, que fariam tudo para impedi-lo. Era algo para se fazer sozinho, mas como? Imaginou que uma queda, uma grande queda, provavelmente poderia tirar a vida de alguém. Sua casa não tinha lugares altos, nem mesmo o telhado era suficiente. Mas ele estava agora nesse colégio que era um prédio alto, com dois andares, o suficiente para fazer um belo estrago. Pôs-se a perambular pelos corredores para encontrar um lugar adequado para seus intentos.

Naquele momento, na sala dos professores, o café com fofocas corria fartamente. Entre pedaços de bolos e tortas, coxinhas e empadinhas, a matemática, o português, a geografia e a história davam lugar aos comentários sobre as roupas inadequadas, o excesso de maquiagem ou o caso secreto entre a inspetora de corredor e o novo professor de educação física, casado! Eventualmente discutia-se a reclamação de uma mãe e a falta de modos e educação do filho da reclamante. De repente, ouviu-se um ganido medonho, um berro surdo asmático vindo da direção do professor de inglês, que do alto de seus 142 quilos, acabava de engasgar com o osso de uma coxinha, obstruindo sua garganta elegantemente envelopada por uma blusa de gola olímpica azul escuro.

Formou-se um bafafá tumultuado, todos correndo de um lado para o outro, tentando acudir o pobre sem saber o que fazer. Num ato de desespero o professor saiu em disparada para fora da sala de reunião, atropelando duas professoras e uma diretora pelo caminho, estatelando-se no chão, arfante, indo parar bem embaixo do vão da escada com o imenso barrigão para cima.

Nisso despenca lá do alto, como um pato abatido em pleno vôo ou um anjo querubim caído do céu, dependendo do ângulo que se olhasse, Anacleto, em carne e ossos, mais ossos que carne, de encontro ao seu planejado e triste destino, interrompido e salvo pela pança do professor estrebuchante. O menino caiu com os dois pés bem no umbigo do já quase moribundo, merecendo um 10 em saltos ornamentais pois não espirraria uma gota sequer. A pressão do golpe fez cuspir o osso de galinha da coxinha, feito jato de uma baleia, indo aboletar-se no alto da peruca da professora de música.

O professor sobreviveu graças ao ato heróico de Anacleto! Ele foi abraçado e festejado. Teve fanfarra, discurso e condecoração. Jornal, rádio e televisão, com direito a cumprimento do prefeito. A tudo ele assistiu impassível, à espreita da próxima oportunidade

CaMaSa

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *