(5511) 2503-9620 [email protected]

São coisas da nossa infância. As primeiras aulas de geografia com o mapa do Brasil destacado no mapa-mundi. Para mim parecia uma espécie de animal enorme e estranho, reforçado pela boca feita do corte em V do Acre. Na época tínhamos estados e territórios, dividindo o país em regiões compreensíveis e próximas, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, já estudadas nas aulas de História, e outras distantes e exóticas, todo norte e nordeste, e o sul, mais frio e produtivo.

Escrevo ficção, baseada nas impressões de um aluno de primeiro grau, antigo curso primário, e não em fatos e dados comprovadamente científicos. Portanto, me acompanhe nesta narrativa por sua conta e risco. 

Naquele tempo eu estudava num colégio estadual, o Antônio Firmino de Proença, e tínhamos uma estrutura completa com aulas de português, matemática, história, geografia, química, biologia, francês, inglês, filosofia, moral e cívica, artes, música e educação física. Era feito um exame admissional para estudar ali, o que tornava o espaço muito democrático, frequentado por todos os extratos sociais e culturais, com crianças e adolescentes de várias descendências. Só os mais inteligentes ou muito esforçados mantinham-se no colégio. Aqueles que não conseguiam acompanhar as disciplinas, e tinham recursos, transferiam-se para os colégios particulares, mais fracos ou que ofereciam alternativas para que os alunos pudessem avançar de um ano para outro.

Me pergunto o que teria acontecido com nosso país de lá pra cá? Seriam os pós-revolução militares, os centro-esquerda de transição ou os esquerdas sem noção os causadores da derrocada? Não éramos o país do futuro? Não tenho respostas. Sinceramente não tenho base para discutir política, deixo para os milhões de especialistas surgidos nas redes sociais nos últimos anos, capazes de interpretar, julgar e condenar os agentes sócio-políticos do Brasil e do mundo. Eu realmente não consigo julgar ninguém sem calçar seus sapatos, sem ter a totalidade dos dados e fatos que o levaram a tomar suas decisões. Deixo para a justiça precificada dos homens e a consciência divina de cada um, o castigo que lhe compete.

Nosso professor de geografia explicava que o rio Amazonas recebeu esse nome por conta da lenda grega das Amazonas, mulheres guerreiras seminuas, talvez tão guerreiras, e muito menos nuas que as índias nativas, nossas icamiabas (aquelas que não têm seio), que desfilavam pelas florestas à época do descobrimento. Terra de sonhos! Muitos se aventuraram por suas matas virginais, estendidas do oceano Atlântico aos pés das intransponíveis cordilheiras dos Andes, em busca de ouro e riquezas inconcebíveis, brotando do solo, ao alcance das mãos. A maior parte encontrou malária, febre amarela e pestes diversas, dando em troca gripes e resfriados mortais para os nativos.

A sanha exploratória, nacional e internacional, só aumentou desde então, encontrando as mais justas e inconcebíveis justificativas para seus discursos e atos. Um país europeu tem o direito de legislar sobre seu território, ou deve permitir que organismos internacionais opinem sobre a utilização de seu território e recursos naturais? Queima de petróleo e carvão são justificáveis para locomover e aquecer? O custo ecológico deve ser questionado em contraponto à sobrevivência dos habitantes dos países gelados da região? A ocupação agrária consciente e sustentável da Amazônia, capaz de eliminar a fome e miséria no Brasil, interessa a alguém? Ela é nossa? A resposta a esta pergunta define sua visão de mundo.

Não existem países e fronteiras. Não existe nada que possamos apontar e dizer, isto é o Mundo. Existem seres humanos coabitando esta esfera orgânica, viva e auto regulável, que chamamos Terra. Como parte integrante deste fantástico ecossistema, temos um papel a cumprir: podemos ser uma excrescência doentia a provocar destruição total ou a ser expurgada, ou um benéfico organismo de realização e expansão universal. O futuro dirá.

Comentários