(5511) 2503-9620 [email protected]

Ele era um anjo, desses comuns. Nem angelicalmente belo, nem humanamente feio, era assim mediano, desses que nos passam despercebido, em presença e em missão. Vivia sua eternidade tranquilamente, aguardando a chance e oportunidade de realizar algo simples, bem feito e bom. Não que ele invejasse os demais anjos, pois estas não são características apropriadas, mas muitos haviam sido chamados à grandeza das obras divinas, operando milagres e liderando exércitos no combate à guerra, ao mal e ruim. Tamanha era a função e capacidade de uns, que quase haviam sido tocados pela humanidade, tendo alguns homens e mulheres deles tido um vislumbre, um sonho, uma visão ou ilusão. Todavia nunca os haviam representados fiéis à sua aparência, desenhando-os das mais inexatas formas e cores, sem chegar minimamente perto enfim.

Um dia, no entanto, da sua inatividade foi interrompido, chamado às pressas por um superanjo do mais alto escalão. A infraestrutura celestial é extremamente complexa, com inúmeras divisões e subdivisões, departamentos e subdepartamentos, hierarquias e sub-hierarquias, entrelaçadas e intercomunicadas por vias expressas de velocidade superior à da luz. Responde-se a um chamado num piscar de olhos, quase antes mesmo de ser chamado! Lá estava ele então, sentado numa cadeira alta de espaldar baixo, brilhante de lixada, diante de uma mesa enorme em forma e cor de concha do mar. Ele olhava fixamente para o anjo do lado de lá da mesa, que parecia ignorar sua presença, atarefado que estava por milhões de compromissos representados por pilhas e pilhas de folhas coloridas, dispostas de maneira milimetricamente organizadas sobre o tampo. Assim se passaram algumas centenas de anos, na forma de alguns segundos, até que o superior parou de fazer o que estava fazendo e olhou fixamente para ele, naquilo que pareceu ser apenas alguns segundos, mas que na verdade eram milhares de anos.

– Deixe-me ver… aqui está! 

Ele retirou uma folha azul claro bem do meio de uma das pilhas e passou para o outro anjo. Bem no meio da folha, em letras decoradas maiúsculas e douradas estava escrito: P R A I A.

O que significava isso, ele pensou… Será que eu vou ser um salva-vidas, desses que socorrem banhistas distraídos? Provavelmente vou faxinar, limpando alguma praia repleta de detritos e poluição. Não era nada imaginável. Num piscar de olhos ele se viu num lugar tenebroso, escuro e gelado, com estrondos assustadoramente altos ecoando de um lado de um mar absurdamente bravo e poderoso e, do outro lado, paredões gigantescos de pedra negra, cuspindo fogo e lava derretida sobre as águas, e fumaça, cheia de fuligem e enxofre a milhares de quilômetros de altura. Se isso era uma praia, melhor seria não conhecer o inferno!

Anjos não foram feitos para questionar ordens, mas para executar. Se essa era sua missão, ele encontraria uma forma de fazer daquele lugar o mais agradável possível, nem que levasse meia eternidade para concluir. Pelo que pôde perceber naquele momento, estava num planetoide em formação, o terceiro em distância de uma pequena estrela chamada Sol. Era a Terra, bilhões de anos antes do primeiro primata erguer-se sobre os membros inferiores, cerrar os olhos para enxergar melhor o ponto mais distante no horizonte e proclamar: – Um dia tudo isto será meu! 

Avaliou os recursos disponíveis, arregaçou as mangas e pôs-se a escolher cuidadosamente os materiais para a composição de sua tarefa. As rochas e lavas vulcânicas formavam escarpas profundas e pontiagudas, terríveis como bocas espectrais cheia de dentes caninos dilacerantes. O mar lançava contra as encostas tsunamis diários que explodiam violentamente contra o granito de dureza incalculável. Dessa batalha épica e insana, ele recolhia fragmentos mínimos, grãos de areia de formas, cores e transparências diversas, empilhando um a um, num encaixe suficientemente flexível para manterem-se unidos em constante movimentação. Passavam-se milhares de anos, até que um maremoto de proporções inéditas ou uma explosão vulcânica dos mais profundos magmas terrenos, descontruíssem ou cobrissem seu trabalho, que era reiniciado com toda paciência com uma nova reconstrução, em bases mais sólidas e definidas. Aos poucos, dentro da lógica de tempo dos anjos que mistura séculos e segundos, o mar ia se acalmando, enquanto as montanhas iam se aplainando numa inclinação cada vez mais suave, como se ambos passassem a se respeitar inteligentemente.

Assim que, cada grão agora era encaixado no cenário de forma cada vez mais rápida e resplandecente, uns mais ao fundo, em contato permanente com as águas salgadas, outros mais salientes, leves, claros e finos o suficiente para serem levados de um lado para outro pelos ventos, numa dança constante de sutis movimentos. O mar agora de águas claras, em tons de azul, verde e lilás, lançava pela evaporação águas filtradas e doces pelas nuvens como chuva, regando a terra de esperança e plantas verdes. 

Nesse cenário tão bonito, exausto e cansado, deitou-se enfim o nosso anjo para um cochilo, que pareceu durar milhões de anos mas foram alguns segundos. Ao abrir seus olhos novamente estava diante do superanjo que os parabéns lhe dava. Compreendeu na mesma hora que seu trabalho seria para os seres que pusessem os pés sobre ele. Que ao olhar e sentir na pele cada grão daquela praia, sentiriam agradecimento e prometeriam conservar para sempre aquele paraíso, chamado Terra, com todo amor e paixão.

Comentários